Justiça do Trabalho e MPT destinam 8,7 mil reais para Unemat produzir máscaras 'face shield'

Justiça do Trabalho e MPT destinam 8,7 mil reais para Unemat produzir máscaras

A Justiça do Trabalho em Mato Grosso e o Ministério Público do Trabalho destinaram 8,7 mil reais para a Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) produzir máscaras face shield, as quais deverão ser distribuídas aos profissionais de saúde pública da região sudeste do estado.

Com o valor, serão confeccionados 450 protetores faciais e adquiridas chapas e filamentos de PETG (um material plástico mais resistente que o acrílico) e uma impressora 3D.

A produção irá suprir uma escassez de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), especialmente no interior, segundo o coordenador do projeto, professor Fernando Yoiti Obana, do curso de Ciências da Computação do campus de Alto Araguaia.

Segundo ele, no interior a falta de materiais é mais difícil de ser suprida seja pela distância, seja pela falta de fabricantes no estado. “Alto Araguaia fica a 420 km de Cuiabá e, devido a essa distância e à falta de estradas, a logística de empresas de transportes é dificultada. Além disso, as encomendas levam de 20 a 30 dias para chegar, espera agravada pela pandemia da Covid-19. Esta espera pode ser reduzida, para no máximo 48 horas, se for possível a fabricação desses equipamentos e dispositivos localmente, de acordo com a demanda”, explica Obana.

Além de Alto Araguaia, a fabricação atenderá toda a região Sudeste, que abrange os municípios de Alto Taquari, Alto Garças, Itiquira, Araguainha, Ponte Branca, Pedra Preta, Rondonópolis e Santa Rita do Araguaia. Este último, apesar de não pertencer a Mato Grosso, foi incluído no projeto por compartilhar a mesma área urbana de Alto Araguaia, com grande o fluxo de pessoas entre as duas cidades.

A distribuição será feita conforme a necessidade de cada município e vai diminuir os custos para as secretarias de saúde da região. De acordo com Fernando Obana, trata-se de medida urgente e necessária ao controle da pandemia e ao achatamento da curva de infectados.

Conforme levantamento realizado pela Secretaria Estadual de Saúde e pelo Conselho Regional de Enfermagem no mês passado, 703 profissionais da saúde da rede pública e privada já haviam sido diagnosticados com a Covid-19 em Mato Grosso.

Todas as máscaras produzidas pelo projeto serão fabricadas no Laboratório de Eletrônica e Sistemas Embarcados do curso de Ciências da Computação. “Alunos e professores envolvidos no projeto possuem conhecimento sobre modelagem 3D, automação e robótica, sem o qual não seria possível a execução do projeto. Também será uma oportunidade para que outros alunos tenham contato e aprendam a utilizar os equipamentos”, complementa Obana.

Após a pandemia, a impressora 3D continuará a ser utilizada na universidade para o desenvolvimento de projetos que beneficiem a comunidade.

PJe: 0000362-74.2016.5.23.0131

 

(Com informações do MPT)

 

 Para ouvir esta matéria, clique na barra de áudio disponível acima. Você também pode baixar o arquivo clicando no sinal de três pontinhos   , disponível na mesma barra (para navegadores Chrome) ou clicando com o botão direito do mouse e, em seguida, na opção “Salvar áudio como” (navegadores Mozilla e Microsoft Edge).

 

 

Gestor da Informação: