Fraldas doadas pela Comissão de Acessibilidade do TRT ajudam famílias durante pandemia

Foto da entrega de fraldas em frente ao Tribunal

Em 2015, durante a gravidez de suas gêmeas, a dona de casa Simone Amarte percebeu manchas vermelhas pelo corpo e as juntas inchadas. Dois meses depois, soube que tinha sido vítima da zika e que uma das meninas nasceria com microcefalia. “Quando elas nasceram, vimos que tanto a Elisa quanto a Cecília tinham a anomalia e os médicos me disseram que elas só teriam sete meses de vida”.

Simone foi uma das beneficiadas pela doação de fraldas descartáveis promovida pela Comissão de Acessibilidade e Inclusão do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso (TRT/MT). Ela, que foi a representante da instituição Mães Unidades pelo Amor, destacou a importância da ajuda. “Apesar do diagnóstico, minhas filhas vão completar cinco anos no dia 08 de março. Já enfrentamos diversas internações e dificuldades financeiras. Contudo, nunca recebemos apoio do Poder Público, só mesmo da instituição Mães Unidas pelo Amor e do Tribunal com as doações de fraldas, que para mim e para as demais famílias beneficiadas é uma ação maravilhosa. Temos um sentimento de profunda gratidão ao TRT”.

Foram arrecadados cerca de 100 pacotes de fraldas na 2ª edição da campanha que conta com apoio de magistrados e servidores do Tribunal. De acordo com a presidente da Comissão de Acessibilidade, juíza Márcia Martins (6ª Vara de Cuiabá), a ação é um trabalho importante por beneficiar pessoas necessitadas que lidam com diferentes tipos de deficiência. “Essa é uma iniciativa que busca dar visibilidade para as pessoas que precisam de um olhar diferenciado. Nós da comissão realizamos um trabalho junto ao público interno voltado para as questões da acessibilidade e para o público externo focado na conscientização”.

Os itens foram doados para a Associação Mães Unidade pelo Amor e também para Associação dos Amigos dos Autistas e da Criança com Deficiência de Mato Grosso (AMA-MT). “As fraldas vieram num momento que classifico como mais que precioso. Com a chegada da pandemia, as famílias carentes chegaram a uma situação de miséria, então muitas mães não estão tendo condições de arcar com esse custo”, ressalta Helena Amaral, presidente da AMA-MT.

As duas instituições são filantrópicas e atendem famílias, em sua maioria, em situação de vulnerabilidade social. No caso da Mães Unidas pelo Amor, o foco são famílias com crianças com microcefalia. Já a AMA-MT trabalha com crianças e adolescentes autistas, pessoas com deficiência e doenças raras.

Comissão de Acessibilidade

Criada para promover ações com foco na inclusão social, a Comissão de Acessibilidade realizou a campanha de arrecadação de fraldas pela 1ª vez em 2019. Agora, na 2ª edição, a iniciativa contou com a participação de servidores, magistrados e da comunidade externa.

A Comissão é formada por servidores eleitos por votação e indicados pela Administração, além de um magistrado também indicado pela Presidência do Tribunal.

(Fabyola Coutinho)

 

 

 

 

 

 

 

 

Gestor da Informação: